Garota de 20 anos faz orelha impressa em 3D com suas células vivas


Nos últimos anos, a tecnologia de impressão 3D evoluiu muitas vezes, à medida que pesquisadores e organizações continuam a experimentá-la em um ritmo sem precedentes. Neste ponto, vimos a tecnologia de impressão 3D sendo usada para imprimir pontes, edifícios e até mesmo um coração humano funcional! Agora, pela primeira vez na área médica, uma garota de 20 anos se tornou a primeira pessoa a obter uma orelha funcional impressa em 3D feita de suas células vivas. Leia os detalhes abaixo!

Jovem de 20 anos obtém uma orelha funcional impressa em 3D feita de seu próprio tecido

De acordo com um recente relatório pelo New York TimesAlexa, de 20 anos, do México, foi a primeira pessoa a se submeter a um transplante de ouvido bem-sucedido com tecnologia impressa em 3D. O primeiro ensaio clínico do tipo foi orquestrado por uma empresa de medicina regenerativa chamada 3DBio Therapeutics para tratar a menina, que nasceu com uma orelha direita minúscula e deformada.

De acordo com o relatório, a 3DBio Therapeutics usou um produto investigativo “inovador” chamado AuriNovo para criar o implante auricular de tecido vivo bio-impresso em 3D para o paciente. AuriNovo é supostamente um produto combinado que pode reconstruir o ouvido externo de pacientes que sofrem de microtiauma condição congênita rara em que as crianças nascem com orelhas deformadas ou sem orelhas.

A empresa contou com a ajuda do Dr. Arturo Bonilla, que é cirurgião reconstrutor de orelha e fundador do Microtia-Congenital Ear Deformity Institute em San Antonio, Texas, para construir a orelha bio-impressa em 3D. Dr. Bonilla elogiou a tecnologia como um tratamento revolucionário para pacientes com microtia em todo o mundo.

“Como médico que tratou milhares de crianças com microtia de todo o país e do mundo, estou inspirado pelo que essa tecnologia pode significar para pacientes com microtia e suas famílias. Este estudo nos permitirá investigar a segurança e as propriedades estéticas deste novo procedimento de reconstrução da orelha usando células de cartilagem do próprio paciente”, Dr. Bonilla disse em um comunicado.

Além disso, o dr. Daniel Cohen, CEO da 3DBio Therapeutics, descreveu o implante auricular bem-sucedido usando tecnologia impressa em 3D como “Um momento verdadeiramente histórico.” Além disso, o dr. Cohen mencionou que espera que o sucesso do ensaio clínico do procedimento pode se expandir para outros setores da área médica.

No futuro, a 3DBio Therapeutics e os médicos envolvidos realizarão outro teste da tecnologia antes de buscar a aprovação do FDA. No entanto, vale a pena notar que o AuriNovo já recebeu a designação de medicamento órfão e doença pediátrica rara. Isso significa que espera-se que o AuriNovo receba uma revisão prioritária quando estiver pronto para aprovação.

Então, o que você acha do fato de que a tecnologia de impressão 3D pode ser usada para o tratamento regenerativo de doenças? Você acha que poderíamos obter braços e pernas impressos em 3D semelhantes a ciborgues no futuro? Deixe-nos saber seus pensamentos nos comentários abaixo.

você pode gostar também